HomeGuia de viagem Bariloche

Guia de viagem Bariloche

bariloche-argentina-ifriend
Você vai adorar conhecer Bariloche neste guia completo!
0
(0)

San Carlos de Bariloche é uma cidade situada no norte da Patagônia argentina, na província de Rio Negro, junto à Cordilheira dos Andes, na fronteira com o Chile.

Comumente chamada de Bariloche, a cidade é rodeada por lagos, como o Nahuel Huapi e o Gutiérrez, e montanhas, como Centro Catedral e o Cerro López. O destino desperta o interesse de muitos turistas, inclusive brasileiros, que buscam essa viagem para ter seu primeiro contato com a neve.

Histórico de Bariloche

Há evidências da existência de assentamentos indígenas à beira do lago Nahuel Huapi e na zona hoje ocupada pela cidade de Bariloche, prévios a chegada dos colonizadores brancos. Em meados do século XVII e início do século XVIII, a região foi objeto de viagens dos missionários do Chile, entre eles os padres: Diego Rosales, Nicolás Mascardi, Felipe Laguna e Juan José Guillelmo. O primeiro homem branco que chegou à localidade vindo das regiões próximas ao Atlântico foi o Dr. Francisco Pascasio Moreno, que na época tinha 23 anos.

A fundação da cidade ocorreu em 1895, quando um imigrante alemão, Karl (Carlos) Wierderhold, lá criou um armazém. Em 1902, tornou-se a cidade de San Carlos de Bariloche. Sua arquitetura, principalmente na área central, lembra a de cidades alemãs e austríacas.

Em 1934, uma ferrovia chega a Bariloche, o que promove a atividade turística.

Hoje, com cerca de 150 mil habitantes, o destino tem uma enorme estrutura para o turismo, com direito a muita neve, passeios nos lagos, chocolate quente e paisagens naturais lindíssimas.

Por que visitar Bariloche?

Cerro Catedral.
Foto: Flickr

Bariloche é um cartão-postal da Patagônia

Bariloche é uma cidade com opções de turismo para todos os gostos e, por isso, recebe viajantes de diferentes partes do mundo. É destino de inverno preferido de muita gente por conta dos picos nevados e esportes de neve, inclusive brasileiros, que não precisam de visto para viajar para a Argentina, nem mesmo passaporte, sendo possível embarcar apenas com um RG de fácil identificação.

A cidade é conhecida por abrigar a maior estação de esqui da América do Sul, o Cerro Catedral.

Mas nem só de neve vive Bariloche. Se você não curte esquiar, há outras estações do ano e outras modalidades para aproveitar, como escalada, caminhadas, caiaquismo e rafting.

Além de toda a aventura que proporciona, Bariloche também tem roteiros românticos. Imagina você e seu par num restaurante com vista para um dos lagos de águas transparentes, comendo um fondue feito com chocolate especial da região!

Seja por que razão for, você vai querer voltar outras vezes nesse importante destino e um dos mais visitados da Patagônia.

O que fazer em Bariloche?

Centro Cívico de Bariloche.
Foto: Flickr

Descubra uma incrível cidade argentina

Bariloche está localizada em meio a bosques milenares, montanhas cobertas de neve e lagos cristalinos, ou seja, na sua viagem não faltarão belezas naturais e passeios ímpares. Mas o destino conta também com inúmeros lugares repletos de história e cultura para conhecer e explorar.

Há tantas opções de atividades para aproveitar na cidade que se você só tiver três dias para conhecê-la, é preciso ser objetivo e ir aos pontos turísticos mais importantes.

Acompanhe o texto e confira o que fazer em Bariloche nas 72 horas que estiver por lá!

Primeiro dia

Comece seu dia passeando pelo charmoso Centro Cívico. Esse é o coração da cidade, um local que conta um pouco da história da região. Lá, se concentram diversos pontos de interesse, como o Museu da Patagônia, a Catedral de Bariloche e a Biblioteca Sarmiento.

Além disso, nessa área está a Rua Mitre, que é um dos principais pontos para fazer compras em Bariloche. Lá, existem diversas lojas, inclusive para comprar os maravilhosos chocolates feitos na região, e a famosa Galería del Sol.

Uma dica é parar para comer num dos deliciosos cafés ou restaurantes que ficam nessa área.

Depois do almoço, faça o Circuito Chico, um dos passeios mais tradicionais, que permite ter um panorama geral da região de Bariloche. Nele você vai passar pelo Cerro Campanário, pelas margens do lago Nahuel Huapi, pela Capela de San Eduardo, pelo Puerto Pañuelo, onde existem duas opções de passeios diferentes de barco, e, por fim, pelo famoso Hotel Llao Llao.

O Circuito Chico é uma espécie de city tour, que pode ser feito por conta própria ou por agência de turismo. O percurso tem pouco mais de 60 km e é repleto de paisagens deslumbrantes.

À noite, nossa recomendação é que você visite o Ice Bariloche, um bar todo feito de gelo.

Segundo dia

Reserve este dia para conhecer o Cerro Catedral, a estação de esqui mais famosa da Argentina. Ele está a 19 km de distância do centro da cidade e pode ser acessado por transporte púbico ou de carro.

Chegando lá você vai poder brincar com a neve, esquiar ou fazer snowboard (caso não saiba, isso não é um problema, pois existem professores para te ensinar), deslizar nas montanhas em uma boia, andar de teleférico e caminhar com aquelas raquetes de neve.

Como a estação possui uma megaestrutura, lá também é possível almoçar em algum dos vários restaurantes e alugar todo o equipamento necessário para passar o dia.

Caso você viaje para Bariloche fora do inverno e por isso não tenha neve no Cerro Catedral, não deixe de visitá-lo, pois lá também é possível fazer trilhas, escaladas, rapel, andar no próprio teleférico, mountain bike e, é claro, apreciar as lindas vistas do lago Nahuel Huapi, da Cordilheira dos Andes e de toda a região de Bariloche.

No caminho de volta para a cidade, aproveite para jantar no restaurante Chez Philippe, que é bem intimista e serve maravilhosos fondues.

Terceiro dia

No seu último dia em Bariloche, aproveite para conhecer o Cerro Otto. É um lugar imperdível, onde há um teleférico, trilhas, um museu com réplicas de estátuas de famosos artistas europeus e pistas para fazer esquibunda.

Lá também está lá a famosa a Confeitaria Giratória, que fica bem no topo da montanha e que completa uma volta de 360 graus a cada 20 minutos.

Assim, quem está lá dentro pode curtir diferentes cenários de Bariloche. Apesar de existirem mais restaurantes e lanchonetes no Cerro Otto, nós recomendamos que você visite a Confeitaria, pois ela é a maior referência dessa montanha.

Já para a noite, nossa dica é um jantar no Restaurante Família Weiss, que é especializado em culinária da Patagônia.

Quando visitar Bariloche?

Cerro Campanario.
Foto: Ricardo Cabral/Flickr

Bariloche é destino de inverno preferido de muitos brasileiros

Se você se pergunta sobre quando visitar Bariloche, saiba que isso vai depender do seu objetivo de turismo. Mas a alta temporada na cidade acontece no inverno, nos meses de julho e agosto.

Essa é a estação preferida dos brasileiros em Bariloche, principalmente, para quem deseja conhecer a neve. Indo no final de maio ou início de junho, já é possível ver neve, mas a neve acumulada para o esqui, por exemplo, só acontece mais para final do mês de junho. Então, se essa é a sua intenção, programe sua viagem entre julho e agosto e terá mais chances de aproveitar.

Na época mais fria de Bariloche, as temperaturas mínimas são negativas e as máximas vão de 8ºC a 10ºC, portanto, leve agasalhos pesados.

Já no verão, durante os meses de dezembro a fevereiro, a cidade continua cheia de turistas e com temperaturas moderadas. Os termômetros marcam entre 20ºC e 25ºC. É nessa época que o sol demora a se pôr e os dias são mais longos.

No verão, você encontrará muitos turistas, principalmente, argentinos em busca de esportes como escalada nas montanhas verdes e caiaque nos lagos da região.

O outono e a primavera compreendem a baixa temporada. Entre março e abril, o clima na cidade oscila muito, a ponto de os termômetros marcarem entre 0ºC e 20ºC até no mesmo dia. Nos meses de outubro e novembro, a tendência é de fortes ventos e também de temperaturas variadas como no outono. Não é uma boa época para quem deseja aproveitar a neve.

Alta Temporada

  • Prós – A alta temporada é o período para quem quer ver a neve e esquiar nas famosas pistas de esqui. É também um convite aos roteiros românticos e época perfeita para tomar um chocolate quente especial da região.     
  • Contras – A viagem acaba saindo mais cara, pois os preços de hospedagens e restaurantes são mais altos neste período. As temperaturas baixas também podem incomodar durante os passeios ao ar livre.

Baixa Temporada

  • Prós – Com menor volume de turistas, fica mais tranquilo para visitar as atrações e não é preciso disputar espaço com outras pessoas. Além disso, é um bom período para quem deseja economizar. 
  • Contras – Se você deseja ver e curtir a neve, na baixa temporada não irá conseguir. Outra característica desta época é que as temperaturas oscilam bastante, inclusive num mesmo dia, o que pode acabar sendo um incômodo.

Praias em Bariloche

Praia Bonita.
Foto: Flickr

Sim, existem praias nesse destino de neve

Quando pensamos em Bariloche, logo nos vem em mente a neve, mas a verdade é que lá também existem praias. Elas são um ótimo programa caso você não saiba o que fazer na cidade durante o verão.

Mas não se engane, porque Bariloche não tem mar. As praias ficam nas margens dos lagos da região e nelas há diversas atividades divertidas para fazer, como caiaque, kitesurf e windsurf.

Uma característica das praias em Bariloche é que a maioria não tem areia, mas pequenas pedras polidas pela água, então, você verá que a maioria das pessoas usa sandálias para caminhar ao longo da costa.

Confira, a seguir, uma seleção com as praias mais legais para conhecer em Bariloche!

  • Praia Bonita – Situada a 8 km do centro da cidade, ela fica nas margens do lago Nahuel Huapi, o maior da região e que cerca a parte norte da cidade. A água do lago é transparente e muito calma, porém ela também é gelada e há várias partes fundas. Além disso, a praia é de pedrinhas, então é preciso tomar algum cuidado para não se machucar.

A Praia Bonita é a que tem a melhor estrutura para atender os banhistas, contando com salva-vidas, banheiros, aluguel de equipamentos de mergulho e caiaque e diversos bares e restaurantes próximos.

  • Praia Bahía Serena – Também no Lago Nahuel Huapi, a 15 minutos de carro do centro da cidade, a Bahía Serena tem águas rasas por vários metros lago a dentro. Ela é considerada uma das praias mais bonitas de San Carlos de Bariloche, rodeada por áreas verdes.

Essa praia é bem tranquila, com ares familiar e é relativamente pequena. Ela também tem uma boa estrutura, então lá dá para alugar equipamentos de esportes aquáticos e comer em barraquinhas.

  • Praia do Centenário – Uma das maiores e mais movimentadas praias em Bariloche. Localizada na entrada na cidade, também nas margens do lago Nahuel Huapi, ela é diferente das outras praias da região porque nela existem ondas, o que torna a pratica de windsurf e kitesurf possível no local.
  • Praia Villa Tacul – A Praia Villa Tacul é menos frequentada que as outras por conta da água gelada e da maior distância do centro (ela está próxima do Hotel Llao Llao). Mas ainda assim merece ser visitada, afinal, ela está no meio de um parque ambiental, sendo cercada por bosques, o que a torna um ótimo lugar para entrar em contato com a natureza. As águas da Villa Tacul são rasas, transparentes e super tranquilas, mas sua orla também é composta por pedras.
  • Villa Los Coihues – A praia de Los Coihues está localizada na ponta norte do lago Gutiérrez, mais distante da cidade e cercada de natureza. Suas águas são ideais para banho, pois são as mais quentes da região.

Lá, além das atrações tradicionais de uma praia, em frente à costa você vai encontrar um museu paleontológico, que conta com fósseis, ovos de dinossauro, entre outras coisas que ajudam a contar a história da Patagônia.

Ecoturismo em Bariloche

Stand up paddle no lago.
Foto: Reprodução/barilocheturismo.gob.ar

Descubra Bariloche além da neve

Bariloche é considerada a capital nacional do turismo de aventura e engana-se quem pensa que as atividades na cidade argentina estão resumidas em esquiar. Há uma enorme variedade de esportes para o viajante que quer uma viagem cheia de ação e com muito contato com a natureza.

No verão, que vai de dezembro a março, Bariloche se torna o destino ideal para a prática de atividades de ecoturismo nas cachoeiras e montanhas. É nessa época que os lagos ganham vida e a recreação nas águas cristalinas se torna uma excelente pedida.

Para quem curte ecoturismo e turismo de aventura, fizemos uma lista com dicas para aproveitar muito na viagem. E não estamos falando de esportes no gelo! Confira!

  • Mountain bike – A variedade de paisagens em Bariloche é o convite perfeito para a prática de mountain bike. Há passeios de bicicletas com diferentes roteiros e duração. Você pode escolher passar por trilhas entre bosques ou montanhas, sempre apreciando a natureza.

Como as opções de circuitos são muitas, as empresas que oferecem esses passeios dão a assessoria necessária, com guias especializados para planejar o caminho ideal para você.

O Bike Park do Cerro Catedral é, durante o verão, o local mais procurado para esse esporte.

  • Rafting – Bariloche oferece a possibilidade de praticar rafting com diferentes níveis de dificuldade, desfrutando de uma verdadeira aventura.

A descida pelos rios do Parque Nacional Nahuel Huapi convida você a percorrer bosques imensos em passeios rápidos e emocionantes.

Uma das opções é o rafting no Rio Manso, rodeado por picos altos e pela vegetação exuberante da Patagônia, além de uma variedade surpreendente de aves.

  • Stand up paddle – As águas calmas e cristalinas dos lagos barilochenses oferecem um enorme leque de possibilidades para a prática do stand up paddle: de aulas básicas e travessias guiadas a aulas de ioga sobre as pranchas.

Os lagos Nahuel Huapi, Moreno e Gutiérrez são o ambiente ideal para realizar essa atividade. Pode ser feita o ano inteiro e é recomendado para toda a família pela facilidade e rapidez com que se aprende.

  • Mergulho – Em Bariloche, você também pode se aventurar debaixo d’água. Nas águas da Patagônia, você consegue viver a experiência do mergulho de batismo, aquele realizado com quem não tem um curso de mergulho, mas quer curtir o mundo subaquático.

Um dos lugares onde você pode praticar essa modalidade é o Arroyo La Angostura, um canal dentro do Circuito Chico que liga os dois lagos mais famosos da região: Moreno e Nahuel Huapi.

Para os mergulhadores certificados, existem mais de 20 lugares com diferentes características e sempre muito atrativos. Você tem à disposição desde mergulho em pouca profundidade até em águas profundas, sempre com excelente visibilidade. 

A temperatura da água em Bariloche varia de acordo com a estação do ano, assim como o tamanho do lago. No final do verão, por exemplo, a temperatura do lago Nahuel Huapi fica entre 13ºC e 14 ºC. Durante o ano todo, você pode nadar com roupa de mergulho (a espessura recomendada é de 5 a 7 mm nas duas peças, meias e capuz).

A melhor temporada de mergulho vai de novembro a abril.

  • Cavalgadas – Os passeios a cavalo em Bariloche podem ser curtos (ideais para famílias com crianças) ou de vários dias que levam o turista até o Chile, pernoitando em hostels.

Você irá descobrir cachoeiras, rios, florestas e montanhas, observando a típica flora e fauna do lugar. Uma experiência imperdível!

  • Arvorismo – A atividade é praticada no Cerro Lopez, a 25 quilômetros do centro de Bariloche. O caminho total do arvorismo tem 1,5 mil metros, um dos maiores da América do Sul. A atividade não requer conhecimento de montanhismo e nem força, podendo ser praticada por toda a família.

Gastronomia em Bariloche

Chocolateria em Bariloche.
Foto: Flickr

Sabores únicos e raros da Patagônia

Caso tenha pensado que a gastronomia em Bariloche iria escapar da parrillada, da empanada, do vinho malbec e dos doces de leite, se enganou. Porém, se quiser algo mais com a cara dessa cidade, e também da Patagônia, há pequenas casas que servem trutas assadas, carne de cordeiro e até pratos típicos alemães – um importante grupo de colonizadores da região.

Você poderá escolher entre centenas de lugares para degustar a cozinha regional de Bariloche e conhecer o talento dos mais reconhecidos chefs e os ingredientes mais naturais.

Não perca as chocolaterias, sempre cheias de novidades, decorações e cores. A cidade é famosa pela produção artesanal do doce e, por isso, um passeio bem legal em Bariloche é ver de perto nas lojas como o produto é feito.

Restaurantes em Bariloche

  • Familia Weiss -Vice Almte. O’Connor 401, San Carlos de Bariloche
  • Chez Philippe -Primera Junta 1080, R8400 San Carlos de Bariloche  
  • La Fonda del Tío – Mitre 1130, San Carlos de Bariloche
  • Las Morillas – Av. Exequiel Bustillo 7690, San Carlos de Bariloche
  • Stag -Sobre la costa del, Hua Huan, Lago Nahuel Huapi 7549, R8400 San Carlos de Bariloche
  • El Mallín – Bustillo KM 11600, R8400 San Carlos de Bariloche
  • Ãnima – Cto. Chico, R8400 San Carlos de Bariloche
  • Restaurant Punto Panorámico – Ruta Provincial 77, Cto. Chico 300, 8400 Km 23, San Carlos de Bariloche
  • La Marmite – Mitre 329, San Carlos de Bariloche
  • Jauja Restaurante y Parrilla – Ada María Elflein 148, San Carlos de Bariloche

Hotelaria em Bariloche

O famoso Hotel Llao Llao

Escolha seu hotel ou cabaña e relaxe em Bariloche!

Bariloche tem hospedagens de todo tipo: de hotéis de luxo à beira do lago a hotéis básicos no centro da cidade, passando por chalés e apart-hotéis.

Há três áreas hoteleiras principais:

  • o centro: perto do comércio, restaurantes e com fácil acesso aos transportes.
  • a Av. Bustillo: que margeia o lago Nahuel Huapi. 
  • a base do Cerro Catedral: ideal para quem vai a Bariloche com o objetivo de esquiar todos os dias.

Ficar no centro de Bariloche é a melhor alternativa para quem viaja sem carro e em família. Dá para ir a vários lugares caminhando. Mas saiba que a hotelaria no centro é antiga, então, releve o estilo vintage das instalações.

O melhor endereço para se hospedar no centro é nos arredores do Centro Cívico, a praça-símbolo da cidade. Ficando por essa região, você consegue sair para jantar a pé e vai estar sempre perto de alguma agência de passeios, loja de aluguel de roupas ou chocolateria.

Os hotéis ao longo do lago normalmente oferecem uma bela vista e são mais reservados – uma boa pedida para quem quer tranquilidade ou para quem prefere uma estrutura mais moderna, que, vez ou outra, os edifícios mais antigos do centro não oferecem. 

Na avenida existem muitos bons lugares onde comer e vários hotéis têm restaurante próprio.

A base do Cerro Catedral fica a 19 km do centro de Bariloche e tem uma zona hoteleira com dezenas de hotéis e cabañas (apartamentos ou chalés equipados com cozinha). Todavia, só se acomode por lá se você for se dedicar seriamente ao esqui – se for a sua primeira vez na neve, prefira se hospedar no centro.

Hotelaria em Bariloche

  • View Hotel – Tucumán 221, R8400 San Carlos de Bariloche
  • Hotel Navegantes III San Martín 152, R8400 San Carlos de Bariloche
  • Hotel Llao Llao Av. Exequiel Bustillo Km. 25, R8401 San Carlos de Bariloche
  • RochesterAv. Exequiel Bustillo 6784, R8400 San Carlos de Bariloche
  • Galileo Boutique Hotel – Nubes 20, Base del Cerro Catedral, R8400 San Carlos de Bariloche
  • Hostería Sudbruck – Ruta de acceso a Cerro Catedral, R8400 San Carlos de Bariloche

Passeios em Bariloche

Confeitaria Giratória no Cerro Otto.
Foto: Vinicius Pinheiro/Flickr

Explore o melhor do destino

Encantadora nas quatro estações do ano, Bariloche pode ser explorada em cada canto da cidade. Tradicionalmente conhecida pelas estações de esqui na temporada de neve, a cidade também tem atrações culturais e roteiros gastronômicos.

Abaixo, listamos seis passeios em Bariloche que merecem a sua atenção na viagem!

  • Centro Cívico – Seja em qual estação do ano for visitar Bariloche, não deixe de passear pelo Centro Cívico. Trata-se de um conjunto de construçõesao redor de uma praça retangular no centro da cidade.

Reserve um tempo para: visitar o Museu da Patagônia; andar pela Rua Mitre, principal rua de Bariloche, e comprar chocolates em uma de suas várias lojas de chocolate produzidos na cidade; fazer uma parada para admirar o Lago Nahuel Huapi. Tudo pode ser facilmente acessado a pé.

  • Circuito Chico – Um dos passeios em Bariloche mais conhecidos, o Circuito Chicopode ser feito por conta própria ou com empresas de turismo. Nele, você percorre cerca de 60 km entre o centro da cidade e o famoso Hotel Llao Llao, construído nos anos 40. Ao longo do caminho, você irá passando por diversas atrações, podendo parar em algumas delas e apreciar as mais belas paisagens barilochenses.

Uma das paradas do tour é no Cerro Campanario, importante montanha da cidade e que tem uma vista incrível.

  • Cerro Catedral – O Cerro Catedral é a principal área para esqui de Bariloche e um passeio imperdível no inverno. A estação de esqui tem dezenas de pistas para todos os níveis de praticantes de esportes da neve e é diversão garantida para quem está começando a engatinhar no esqui ou para os esportistas mais experientes.

Vale a visita mesmo para quem não pretende praticar alguma modalidade, pois próximo à estação estão várias lojinhas e restaurantes e, através dos meios de elevação, você também pode subir a montanha e apreciar a paisagem da região. 

  • Cerro Otto – Assim como os morros vizinhos, o Cerro Otto oferece uma paisagem incrível de Bariloche e da natureza da cidade. O diferencial do local é que em seu topo fica a Confeitaria Giratória, que — literalmente — fica girando através de um mecanismo próprio e, assim, proporciona, visuais diferentes ao longo de uma refeição. Vale a pena fazer uma paradinha por lá, mesmo que seja apenas para tomar uma bebida quentinha.
  • Cerro Campanario – Na sua lista de passeios em Bariloche, há outro morro que merece marcar presença. Localizado às margens do lago Nahuel Huapi, o Cerro Campanario tem altura de 1.049 metros. O acesso até o alto da montanha é feito através de um pequeno trajeto de teleférico e a vista lá de cima é linda – algumas pessoas, inclusive, elegem o lugar como o que oferece as mais belas paisagens da região. No inverno, suba bem agasalhado, pois o frio lá em cima é cortante.
  • Museu do Chocolate – O Museu do Chocolate de Bariloche pertence à famosa marca argentina Havanna, mais conhecida por seus alfajores. Considerado um dos melhores museus da cidade, ele fica dentro da fábrica da marca (na Avenida Exequiel Bustillo) e, além de poder aprender mais sobre a história do chocolate, lá também dá para comprar ótimos doces.

Quanto custa viajar para Bariloche?

Cerro Catedral.
Foto: Flickr

É hora de calcular a sua viagem para a neve

San Carlos de Bariloche é uma cidade situada no norte da Patagônia argentina, na província de Rio Negro, junto à Cordilheira dos Andes, na fronteira com o Chile.

Comumente chamada de Bariloche, a cidade é rodeada por lagos, como o Nahuel Huapi e Gutiérrez, e montanhas, como Centro Catedral e o Cerro López.

Bariloche fica a 304 km de Puerto Varas e a 244 km de Osorno, ambas no Chile. A capital portenha, Buenos Aires, está a 1.500 km de Bariloche.

O jeito mais fácil e comum de chegar em Bariloche é de avião, com escala em Buenos Aires. A LATAM e a Aerolineas Argentinas são as companhias aéreas que fazem o trajeto e tem voos saindo das principais cidades brasileiras.

Na temporada de esqui, há agências que organizam voos diretos partindo de algumas capitais, como São Paulo.

Na hora de deixar o Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria, a 13 km do centro de Bariloche, você conta com o serviço de táxis, ônibus e vans.

  • Passagens – Opções a partir de: Rio R$ 1.462,00 e São Paulo R$ 1.498,00.
  • Aluguel de carro – Categoria econômica R$ 432,00 a diária / veículos SUV R$ 862,33 a diária (preço médio para no mínimo 3 dias).
  • Passeios – A visita ao Cerro Catedral sai a partir de R$ 200,00 por pessoa, com direito a ingresso para o Play Park e Ingresso para o Tour Naturaleza (Peaton) no Telecabina Amancay + translado de Bariloche até o Cerro. Para desfrutar de uma aula de duas horas de esqui ou snowboard e depois poder passar o restante do dia praticando (com equipamento incluso) + translado de Bariloche até o Cerro Catedral, o valor sobe para cerca de R$ 498,00 por pessoa.
  • Hospedagens – O preço de uma diária em quarto duplo em hotel três estrelas, na baixa temporada, fica em torno de R$ 318,00 a R$ 471,00. A mesma hospedagem pode custar cerca de R$ 862,00 na alta temporada.

O tempo ideal para conhecer Bariloche é de cinco dias, especialmente para quem nunca foi lá. Estima-se que numa viagem de cinco dias para a cidade, na baixa temporada, é necessário ter na faixa de R$ 2.800,00 a R$ 3.800,00, exceto as passagens aéreas. Com esse valor, dá para fazer os principais passeios, se alimentar bem e se hospedar num local confortável.

iFriend: Guia de viagem Bariloche

Escolher um guia de viagem para acompanhá-lo em alguns passeios e roteiros pode ser a melhor opção para você aproveitar ao máximo a cidade.

Conheça os iFriends em Bariloche e divirta-se!

Bariloche, o destino de neve mais famoso da Argentina, espera sua visita!

iFriend. Find a friend, enjoy the ride.

O que achou?

Média 0 / 5. Votos: 0

Que tal?